InícioTECHIA, o Novo Gru

IA, o Novo Gru

Date:

Related stories

Cobra de Duas Cabeças é Nova Atração em Centro nos EUA

Meta-descrição: Uma cobra-rato ocidental de duas cabeças, Tiger-Lily, com quase sete anos, é atração em turnê por cidades americanas.

Os impostores da tecnologia

Descubra como distinguir especialistas genuínos de impostores da tecnologia, e aproveite o verdadeiro potencial da IA

Call of Duty Black Ops 6 estreia em outubro com novo trailer da campanha

Call of Duty Black Ops 6 chega em 25 de outubro com campanha ambientada na Guerra do Golfo, multiplayer com 16 mapas e modo Zombies.

Qual a melhor maneira de utilizar suas milhas aéreas

Descubra a melhor maneira de utilizar suas milhas aéreas para tornar suas viagens mais acessíveis e colecionar momentos incríveis.

Jones Donizette: A Esperança de Itapecerica da Serra para Romper com 40 Anos de Hegemonia Política

Jones Donizette: símbolo de renovação em Itapecerica da Serra. Após 40 anos de hegemonia política, sua história de superação e experiência.
spot_imgspot_img

Posso entender — e entendo — que os advogados estejam preocupados com o aspecto regulatório e ético do uso da IA. É nosso dever profissional ajudar os utilizadores de IA a cumprir a regulamentação, bem como a ética subjacente (pois mesmo que a ética não seja a norma, o uso antiético frequentemente leva a consequências negativas).

Dito isto, o que não estou tão claro é esta preocupação regulatória exagerada vinda de cima. Eu entendo a preocupação sincera vinda de baixo. Que as poucas mentes privilegiadas que estão desenvolvendo a IA tomem precauções sobre os rumos e derivados desta tecnologia é inerente ao desenvolvimento científico e tecnológico. Que esses cuidados (de baixo) sejam maiores, muito maiores, imensamente maiores, dado o objeto em desenvolvimento, também é lógico, razoável e necessário. Estamos diante da primeira tecnologia que pode evoluir, quer sob a proteção do seu criador humano, quer por si só, para uma relação de agência, para uma mente autônoma e, como tal, independente de nós; ou tão dependente de nós quanto eu sou de você, ou você de seu primo.

Neste sentido, não podemos perder de vista que ainda não sabemos — e talvez nunca saibamos — quando e como foi que um dia o macaco olhou para as suas mãos e disse para si mesmo: “Aqui estou”.

Entre as várias hipóteses que tentam explicar esta transição do ser para a existência, do instinto para a consciência e, portanto, para a vontade, temos o que chamo de hipótese do “simplesmente aconteceu”. Que as coisas acontecem por acaso, ou simplesmente acontecem, não é uma explicação que geralmente satisfaça os humanos. Mas é uma explicação tão boa, ou tão ruim — é uma questão de gosto epistemológico — quanto o “Ei, só porque!” que o pai oferece ao filho quando ele faz a enésima pergunta de uma cadeia de perguntas sobre um truísmo no mundo: “Batatas fritas são batatas fritas porque são batatas fritas.”

E é isso. Como “é isso”, o resto é um mistério. Um mistério (compreendido em todas as suas dimensões e esferas, inclusive a religiosa) que é necessário em nossas vidas. Acredito que sem mistério os humanos não seriam humanos: seriam outra coisa.

Esta hipótese de que simplesmente aconteceu significa que a consciência (não aquele homúnculo que nos pune por fazermos coisas supostamente boas ou más, mas a do autoconhecimento do ser, da existência) é o fruto necessário (não poderia ser de outra forma) de uma acumulação cognitiva. Em outras palavras: o aumento da inteligência (em sentido amplo) num sujeito que não é autoconsciente simplesmente acontece que, num determinado momento, é tal que esse sujeito se torna autoconsciente, decidido e responsável. É então que as relações de agência são atendidas. Acho que chegará um ponto em que a resposta da IA a um prompt muito interessante será: “Com licença, quem diabos é você?”

Independentemente de quantos ou poucos pontos esta hipótese tenha — sou totalmente a favor — para ser a explicação oficial do que aconteceu antes, o fato é que, na ausência de uma explicação, ela se coloca a dies incertus an et quando if a autoconsciência da IA vai acontecer, se não como um mero dies incertus quando – meu dinheiro está nisso. De acordo com o que chamo de “teoria do equilíbrio” – que costumo aplicar para decidir entre possíveis cursos de ação – há tanto a perder se não tomarmos precauções, que seríamos tolos se não tomássemos todas as precauções.

O que me traz de volta ao início:

OK, mas precauções de quem?

Porque: quem regula o regulador? Vivemos num mundo capaz de organizar um festival de música em torno de assuntos bizarros — e me abstenho de aplaudi-los loucamente enquanto denigre uma deusa cantora do próprio Olimpo. E esse mundo, um mundo woke, me deixa muito inquieto porque ele está querendo regulamentar a IA — e já está regulamentando-a… Bem, estou apostando — e não estou perdendo — que ele não quer regulá-la, e de facto não o regulamenta, com a mesma preocupação sincera vinda de baixo. O dinheiro e o poder que andam de mãos dadas com tal “invenção” não cabem na sua cabeça.

Então, eles, amantes do poder e do dinheiro como não houve outros, de cima não estão apenas nos roubando essa ideologia igualitária e invejosa, a ideologia mais decadente da história que leva ao fim da civilização (não ao fim da civilização como a conhecemos, mas ao fim da civilização); eles também estão nos oferecendo um sistema perfeito de controle dos cidadãos para transformá-los primeiro em súditos e depois em vassalos:

Uma massa de vassalos indistinguíveis dos servos Minions.

Subscribe

- Never miss a story with notifications

- Gain full access to our premium content

- Browse free from up to 5 devices at once

Latest stories

spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui